Fãs de jogos de estratégia em tempo real têm bons motivos para comemorar em 2017: com novidades como o anúncio de Age of Empires IV nesta segunda-feira (21), o lançamento da remasterização de StarCraft, novos títulos como Iron Harvest e as contínuas atualizações de Warcraft III, o gênero está definitivamente colocando as mangas de fora novamente neste ano  e tem o potencial de voltar com força.

Nessa onda de anúncios de RTS, nós separamos aqui oito franquias sumidas do gênero que gostaríamos de ver retornando em novo títulos – já para amanhã, se possível.

Rise of Nations

Lançado em 2003, Rise of Nations é considerado um dos grandes títulos de RTS por ter se esforçado para inovar a jogabilidade do gênero e para se distanciar de cópias genéricas da série Age of Empires.

Com 18 civilizações e oito eras diferentes, uma das formas que o título conseguiu o feito foi através dos territórios  áreas de influência do jogador no mapa que causavam dano por “atrito” às unidades inimigas.

A série até teve o spin-off Rise of Legends, de 2006, e recebeu uma atualização gráfica para ser relançada no Steam em 2014, mas a merecida sequência propriamente dita nunca veio de fato.

Reprodução/Big Huge Games

The Lord of the Rings: The Battle for Middle-Earth

Terra-Média: Sombras da Guerra está quase aí e, junto com ele, retorna aquela vontade de mergulhar no universo criado por J. R. R. Tolkien. Mergulhar neste universo em um jogo de estratégia? Melhor ainda.

Lançado em 2014, The Battle for Middle-Earth trazia quatro facções – Rohan, Gondor, Isengard e Mordor – e várias unidades e heróis conhecidos de Tolkien. Uma das campanhas do jogo também seguia a história de O Senhor dos Anéis.

O jogo foi bem recebido e teve uma continuação em 2006, mas desapareceu junto com a queda de popularidade do gênero RTS. Hora ideal para uma retomada, não?

Reprodução/Electronic Arts

Command & Conquer

Desenvolvida pela Westwood Studios, a franquia Command & Conquer é considerada uma das grandes responsáveis por popularizar o gênero RTS nos anos 90.

É verdade que a série teve altos e baixos nos seus mais de 20 anos de história, mas tinha uma boa jogabilidade e é lembrada com carinho por suas toscas cutscenes com atores reais – que incluem até Tim Curry.

O mais recente Tiberium Alliances, game gratuito para navegadores, não é, nem de longe, o exemplo ideal do que a franquia significa. Por isso, achamos que um retorno às origens  ou algo no estilo de Red Alert 3  seria muito bem-vindo.

Reprodução/Electronic Arts

Total Annihilation

Total Annihilation é um considerado um marco do gênero RTS dos pontos de vista de jogabilidade e de tecnologia.

Criado pela Cavedog Entertainment, o game de 1997 trazia recursos ilimitados, que eram acumulados passivamente pelo jogador, e foi o primeiro do gênero a trazer unidades e estruturas em 3D, o que afetava a forma como projéteis viajam, por exemplo.

O título sobrevive hoje na forma de Planetary Annihilation, jogo de 2014 que tem ex-membros da Cavedog entre seus desenvolvedores, mas um Total Annihilation II propriamente dito não seria nada mal.

Reprodução/Cavedog Entertainment

Age of Mythology

Microsoft, nós gostamos muito de Age of Empires, mas você também está planejando uma continuação para Age of Mythology? Se não estiver, já pode começar, por favor.

Lançado em 2002, o game se tornou popular por seus belos gráficos 3D, combate misturando unidades humanas e mitológicas e pelos poderes divinos que podiam ser invocados.

Vale lembrar que a expansão mais recente do jogo, Tale of the Dragon, foi lançada há apenas dois anos – sim! –, o que mostra que o jogo não está completamente enterrado.

Quem sabe um sequência oficial não esteja em desenvolvimento por baixo dos panos? 

Reprodução/Ensemble Studios

Dune II

Dune II pode não ter sido o primeiro, mas é considerado a fundação que ajudou a definir grande parte dos elementos básicos de jogos de estratégia em tempo real.

Ambientado no universo da série de livros Duna, de Frank Herbert, o jogo de 1992 traz todos os principais aspectos de RTS: coleta de recursos, construção de bases e unidades, tecnologias e diferentes facções.

O game teve um remake, Dune 2000, e uma sequência, Emperor: Battle for Dune, de 2001, mas desapareceu desde então.

Um novo título para a série poderia agradar tanto fãs de jogos RTS quanto do universo em que o game se passa.

Reprodução/Westwood Studios

Warcraft

Você sabia que esse jogo estaria aqui. Todos sabíamos que esse jogo estaria aqui.

E é por um bom motivo: Warcraft é uma das maiores e mais amadas franquias do mundo, ainda popular por conta de sua história envolvente e ótimos games.

World of Warcraft continua a ser um hit global, mas para muita gente, são os jogos de estratégia em tempo real da série que têm um lugar guardado no lado esquerdo do peito.

A comunidade de Warcraft – em especial Warcraft 3 – segue firme, forte e produzindo conteúdo – e ansiosa por um novo jogo, Blizzard.

Battle Realms

Talvez o menos conhecido jogo da lista, Battle Realms foi lançado pela Liquid Entertainment em 2001 e é lembrado com nostalgia por fãs.

Uma das características que o diferenciam era o sistema de criação de tropas: cada unidade é treinada passando por uma estrutura especializada ou por uma combinação de diferentes estruturas.

Isso significa que, dependendo de onde treinar, um aldeão do Clã Dragão pode virar um canhoneiro, um arqueiro ou até um samurai, por exemplo

Mesmo bem avaliado, infelizmente o jogo parece não ter atingido a popularidade necessária para uma sequência. Mas não custa sonhar.

Reprodução/Liquid Entertainment