Em uma entrevista em vídeo com a MSNBC, a CEO do YouTube, Susan Wojcicki, explicou que a plataforma precisa de mais especialistas para combater os conteúdos perigosos.

Durante a entrevista, o assunto da mesa foi para a recente polêmica em volta do vídeo de suicídio publicado pelo YouTuber Logan Paul. Depois de toda a discussão, a plataforma anunciou que vai mudar o programa de monetização e aumentar o número de moderadores para combater os conteúdos prejudiciais.

"Onde acho que estamos indo, e o que aprendemos no decorrer desse ano, é que precisamos de muito mais especialistas", comentou Wojcicki. "Há muitos nuances, e nós seguimos todas as leis, mas muitos desses problemas são complicados e têm pequenas variações. Precisamos ir para esses experts e coletar o seu feedback sobre os tipos de conteúdo que devemos derrubar e como refazer nossas políticas para fazer as coisas certas", completa.

YouTuber Logan Paul publicou vídeo polêmico na plataforma envolvendo um corpo em uma floresta no Japão.

Ela também lembrou que parte do processo de moderação é feito por máquinas que também são importantes para o processo na plataforma.

"No final do dia, precisamos de humanos e também precisamos dessas máquinas. Se formos para uma margem extremista, nós temos 400 horas [de vídeo] sendo enviadas a cada minuto no YouTube. Nós somos capazes de remover 98% de extremismo violento com máquinas, e metade de tudo isso em apenas duas horas. Então você olha para isso e fala 'nós podemos alcançar tudo isso apenas com humanos?' Não, você precisa dessas máquinas", complementa.

Recentemente, a plataforma também alterou o sistema de monetização para beneficiar somente os canais com 4 mil horas assistidas no último ano e com pelo menos mil inscritos. A medida já começa a valer a partir da metade de fevereiro.