O ano de 2017 veio tão recheado de produções excelentes dos mais variados estilos que fatalmente alguns títulos receberam menos atenção do que outros - seja do público ou da mídia.

Aproveitamos este momento de final de ano e retrospectiva para listar alguns dos títulos que mais gostamos neste e ficaram soterrados debaixo do hype de outros tantos games.

Confira a lista abaixo e não deixe de aproveitar o espaço de comentários para das as suas dicas também:

Nier: Automata

Poucos deram muita atenção quando um novo Nier foi anunciado pela Square Enix, mas quem já era fã sabia muito bem o que esperar: algo totalmente inesperado!

Com o talento da Platinum Games por trás, o excêntrico diretor Yoko Taro deu vida a um jogo de ação com elementos de outros gêneros bem diferentes, como RPG e shmups (os famigerados 'jogos de navinha').

Mais do que isso, a história do título retrata questões profundas e envolventes, com múltiplos finais possíveis. Uma aventura atemporal, digna de ser aproveitada seja quando você puder no PS4 ou no PC.

Prey

Revelado de surpresa durante a E3 2016, Prey prometia um enredo sombrio e intrigante, seguindo as pegadas de outras obras que inovaram o gênero FPS, como Half-Life e BioShock.

O jogo entrega isso, mas foi lançado às vésperas da E3 2017 e com pouquíssima divulgação por parte da produtora a Bethesda. Isso acabou ofuscando todo o brilho do título da Arkane, afogado pelas novidades da E3 em si e os lançamentos de segundo semestre.

Uma pena, já que o título de PS4, Xbox One e PC vai além do enredo enigmático e oferece tiroteios e trechos de exploração muito empolgantes.

Resident Evil VII

Verdade seja dita, o game de horror da Capcom até recebeu bastante atenção... mas só em janeiro, logo quando saiu. Poucas pessoas pensam em RE7 como um jogo de 2017 - tanta coisa aconteceu de lá pra cá que parece que ele saiu no ano passado!

Ainda assim, o game é digno de muita atenção. Seja pela ousadia em mudar os rumos de uma franquia tão querida e consolidada, pelo uso intenso de realidade virtual ou até pela imensa oferta de conteúdo, entre a campanha principal e os muitos modos alternativos e episódios extras.

Felizmente, o final de ano foi generoso para RE7 e o game ganhou mais dois DLCs - um deles gratuito! - que devem atrair novamente alguns olhares para o título de PS4, Xbox One e PC.

Ghost Recon: Wildlands

Enquanto For Honor não foi a melhor demonstração de desempenho dos estúdios da Ubisoft, vale o contrário para Wildlands.

Desde a bombástica revelação até o lançamento o jogo tem apresentado uma experiência redondinha, repleta de ação e conteúdo de qualidade. Mais um dos representantes do forte legado de produções em mundo aberto da empresa, Wildlands é também um dos jogos mais vendidos do ano.

Pesou contra ele apenas o fato de ter saído poucos dias depois do Nintendo Switch e de Legend of Zelda: Breath of the Wild, que monopolizaram as atenções e conversas da mídia e dos fãs de games.

ARMS

Em 2015 a Nintendo inovou entre os shooters com o lançamento do inusitado Splatoon. Nesta temporada 2017 foi vez de os jogos de luta receberem (muito) carinho da Nintendo na forma do maluco ARMS.

Com personagens que esticam os braços como se fossem aquele brinquedo de mola maluca, o título combates equilibrados e estratégias inéditas, resultando em uma experiência intensa e divertida.

Ao longo dos meses a Nintendo vem dando bom suporte ao jogo, com ajustes de jogabilidade, novos modos de jogo, arenas e personagens... mas também lançou Splatoon 2 um mês depois de ARMS, roubando muito da atenção do game de pancadaria.

Nioh

Lançado após mais de uma década de problemas e desencontros, Nioh acertou ao oferecer uma experiência de ação e combate muito parecida com a da série Souls, mas com diferenças o bastante para ser mais do que uma mera cópia.

O título chegou primeiro ao PS4 e meses depois no PC e cativou pela ambientação no Japão feudal e a dificuldade acirrada.

Porém, o lançamento fevereiro fez com que ele fosse mais uma das vítimas do hype absurdo do Switch e Legend of Zelda em março.

Clique para ver os outros conteúdos da retrospectiva do The Enemy