Desde que a Internet existe, existem também sites paródias e ataques velados a serviços, programas, seriados, atores e, é claro, jogos. O último a ganhar destaque da mídia foi criado por Darren Barefoot, um blogueiro cansado do burburinho em torno de Second Life e que resolveu contra-atacar.

GetAFirstLife

None

GetAFirstLife

None

No domínio GetAFirstLife.com, Darren criou uma página que recomendava aos "residentes" (assim são chamados os usuários do mundo virtual Second Life) a começarem a viver sua vida de verdade, em vez de torrar seu tempo e dinheiro em servidores online.

O site, que apenas copia a página principal oficial do game desenvolvido pela Linden Labs, traz imagens hilárias e parodia completamente recursos anunciados por Second Life. Darren anuncia: "First Life é um mundo analógico 3D onde o lag de servidor não existe", e sugere que os "jogadores da vida real" trabalhem, se reproduzam e pereçam, além de trazer imagens inusitadas com dizeres como "Fornique usando sua própria genitália", ou questões como "Que negócio é esse de corpo, e o que eu faço com essa coisinha pendurada?".

Mas, ao contrário do que Darren esperava através da inclusão de um link para reclamações dos advogados da empresa, a sua brincadeira não atraiu a ira da Linden Labs, sendo contatado com uma mensagem que dizia: "Seu pedido de envio de uma ordem de cessação está por meio desta rejeitado". "Além do mais, a Linden Lab opõe-se a qualquer insinuação de que contrataria advogados incapazes de distinguir uma paródia tão óbvia. De fato, qualquer advogado competente está bem ciente de que a conseqüência de uma ordem de cessação ligada a uma paródia é apenas para trazer mais atenção para tal paródia, e para convidar ao escárnio público e ridicularização de um conselho legal sem humor. A Linden Lab é conhecida por seus padrões altos de contratação, incluindo entre os requisitos ter um bom senso de humor, do qual nossos advogados não são exceção", diz a mensagem inserida por Ginsu Yoon, e confirmada posteriormente por um representante da empresa.

A resposta, feita na 16ª posição dos comentários de um artigo no blog do autor ainda oferece a ele direito não-exclusivo, não-transferível, não-sublicenciável, revogável e limitado do uso do logo modificado disponibilizado na página principal do site e aplicado a camisetas anti-Second Life vendidas através do site CafePress.