Pra quem não quer bater de porta em porta procurando gostosuras e travessuras nesse Halloween, preparamos uma lista especial com as indicações de nossa equipe para você jogar e se divertir muito nessa terça-feira assustadora:

Fatal Frame II: Crimson Butterfly

Indicado por Maximiliam Rox:

Halloween? Nada melhor que dedicar o Dia das Bruxas enfrentando terríveis assombrações. O segundo jogo da franquia Fatal Frame é um clássico que merece a sua visita, seja ela a sua primeira ou a sequência de muitas. Tem fantasmas, rituais sinistros, ambientação macabra e uns bons sustos reservados. Mistura saborosa.

 

 

The Forest

Indicado por Júlia Scochi:

The Forest é um daqueles jogos de sobrevivência que acelera o coração, impõe desafios e traz uma trama de fazer o cérebro derreter: o avião em que seu personagem estava caiu em uma ilha misteriosa a qual habitam criaturas estranhas e tribos canibais. Para piorar ainda mais, seu filho — que estava te acompanhando na viagem — foi sequestrado por um homem estranho nesse território hostil.

O jogo não vai deixar seu coração em paz: com uma trilha sonora de tirar o fôlego, criaturas extremamente aterrorizantes e noites imprevisíveis, o jogo brinca com o desejo do protagonista de sobreviver nessa terra estranha e resgatar sua família.

The Forest é uma pedida perfeita para jogar sozinho ou com os amigos, mas cuidado, a noite é fria e há criaturas que fazem dela um palco para suas melhores caçadas.

Resident Evil 7

Indicado por Bruno Silva:

Eu normalmente não tenho problemas com jogos de terror (com exceção de P.T., aquilo é outra história). Dito isto, devo admitir que tomei alguns sustos com Resident Evil 7. A reinvenção promovida pela Capcom promove momentos realmente aterrorizantes nos quais você se sente indefeso frente aos insanos e super poderosos membros da família Baker.

 

Whispering Willows

Indicado por Tamirys Seno:

Halloween me lembra jogos de terror (que, inevitavelmente, me lembram que eu não consigo jogar jogos de terror). Mas, às vezes, alguns milagres acontecem: Whispering Willows foi um deles.

O jogo, criado pela Night Light Interactive (um estúdio indie de Los Angeles), é uma mistura de puzzle com jogos de terror e um toque de aventura que faz toda a diferença. Em Whispering Willows você controla a protagonista Elena (e seu espírito fora do corpo) por locais que são frequentados por outros espíritos (nem tão legais assim). A partir aí começa a jornada de Elena pelo mundos dos mortos com segredos bem perturbadores.

The Evil Within 2

Indicado por Gabriel Pereira:

Véi, não tem como jogar esse jogo e não sentir medo.

Eu ainda estou jogando (e morrendo de medo) curtindo a possibilidade de explorar prédios, caixas, lixeiras e tentando fazer o máximo de missões para poder ter mais itens que me ajudem lá pra frente.

Já tomei tanto susto que perdi a conta.

Se você curte um jogo de terror, esse não pode faltar na coleção.

 

Silent Hill 2

Indicado por Guilherme Jacobs:

Há diversos tipos diferentes de terror. Talvez o mais popular na ficção audiovisual seja aquele com gore, caras musculosos, mulheres em roupas apertadas e sustos à cada esquina. Um terror classe B, digamos.

Com isso eu não quero dizer que ele é ruim. Isso seria falar que jogos como os primeiros Resident Evil são ruins, e eu jamais faria isso. Mas há outro tipo de terror. Uma mais silencioso, mais psicológico, que não dá sustos tanto quanto te incomoda e fica presente nos seus pensamentos.

Silent Hill se encaixa aqui, e nenhum jogo da franquia representa isso tão bem quanto Silent Hill 2. Provavelmente o jogo mais psicologicamente profundo feito até hoje, ele estuda o que leva às pessoas aos seus limites, como é sua versão do inferno e como a loucura pode criar demônios.

Ele também permite com que o jogador decida isso das formas mais simples possíveis. Se você cuidar bem do seu personagem, há um final. Se deixá-lo morrer e proteger outras pessoas com mais força, há outro.

Entrar em mais detalhes seria um crime. Não procure mais nada. Silent Hill 2 pode não ser o jogo mais fácil de se achar, e algumas versões não rodam tão bem, alguns controles não funcionam tão bem em 2017 e os gráficos são, de fato, desatualizados.

Mas vale tanto, tanto a pena.

 

Amnesia: The Dark Descent

Indicado por Thiago Romariz:

Se os jogos de terror hoje são uma sensação no mundo indie, eles devem bastante aAmnesia: The Dark Descent. Lançado em 2010, o jogo se limita a apresentar um cenário cheio de puzzles e assombrado por criaturas bizarras. Nenhuma arma, uma trilha sonora sutil e muitos sustos fazem deste um dos melhores jogos de horror dos últimos anos.

Until Dawn

 Indicado por Luciano Amaral:

Imagine um filme de terror adolescente adaptado para os videogames, é exatamente essa a proposta dos criadores de Until Dawn. A história se passa em torno de um grupo de adolescentes que viajam para uma cabana nas montanhas em busca de duas amigas desaparecidas tempos atrás.

Cheio de tomadas de decisões e variando o personagem que controlamos com o desenrolar da história, em Until Dawn se o seu personagem morrer o jogo continua, o que já é algo bem interessante e diferente. Cheio de estrelas do cinema e da tv, não se espante ao reconhecer o rosto de alguns personagens. Quick time events, investigação, suspense e uma pegada de terror leve é o que você irá encontrar ao jogar.

Boa jogatina para quem gosta de terror, mas ainda sim quer dormir com as luzes apagadas.

 

F.E.A.R.

Indicado por Rafael Romer:

Além de uma ótima jogabilidade e história envolvente, F.E.A.R traz aquele que sempre será um dos elementos mais horripilantes do gênero de terror: crianças fantasmagóricas.

E Alma, a garotinha fantasmagórica do título em questão, aparece frequentemente para o jogador na forma de alucinações paranormais como parte da trama do game – o que é certeza de pulos de susto na cadeira a cada aparição inesperada.

No mais, F.E.A.R ainda é um jogo de tiro em primeira pessoa extremamente competente e que não envelheceu mal, com armamentos que incluem equipamentos de ficção científica e uma divertida mecânica de "bullet time", que desacelera a ação do jogo para simular os reflexos sobrehumanos do personagem principal do game.

Vale o investimento para quem busca um título de terror, mas também tem interesse em um FPS tradicional.