Ultimate Spider-Man
PC - Electronic Arts
3 ovos
X-Men Legends II
PC - Electroni Arts
5 ovos

Dois aguardados jogos baseados no Universo Marvel chegaram recentemente ao Brasil pela Electronic Arts: Ultimate Spider-Man e X-Men Legends II: Rise of Apocalypse. Ambos dão continuidade à lucrativa parceria da editora Marvel com a produtora Activision.

O primeiro volta a colocar os jogadores na pele do Homem-Aranha. Porém, desta vez, não se trata da versão do cinema, com a qual estamos acostumados a balançar pelos prédios de Nova York. Trata-se do Aranha Ultimate, a versão moderninha do herói, publicada no Brasil no gibi Marvel Millennium.

A trama original da aventura foi escrita pelo superastro da Marvel, Brian Michael Bendis, responsável pelo gibi Ultimate Spider-Man. Dessa forma, ela se integra às histórias em quadrinhos, respeitando esse universo como pouquíssimos games o fazem. Os traços do jogo também seguem fielmente o estilo do ilustrador Mark Bagley. Esses dois elementos garantem a sensação de estarmos soltos dentro de uma aventura do aracnídeo nos quadrinhos. Sim, soltos, já que os cenários são gigantescos e podem ser explorados incansavelmente. Há, claro, missões básicas a serem cumpridas - tanto pelo Teioso como pelo seu inimigo, o Venom, que também pode ser controlado -, mas as pequenas tarefas do dia-a-dia do herói também estão presentes, como ajudar pessoas em perigo tirando-as das mãos de criminosos, ou de um terraço em colapso.

Infelizmente, para um velho gamer como eu, que ainda se lembra com saudades do tempo que o joystick tinha só um botão, o game pode ser um desafio quase impossível. A quantidade de teclas (pra piorar, joguei a versão do PC sem qualquer game pad para auxiliar) é insana e elas devem ser pressionadas com um ritmo quase "sinfônico" para que o personagem consiga mover-se sem trancos pelo cenário. Um botão dispara a teia para a frente, outro para o alto dos prédios, outro dá socos, outro pula, outro gruda, outro... enfim, mal consegui passar das primeiras fases e fui o Homem-Aranha mais terrestre que já existiu. Sim, correr eu corri muito bem. :-P

Claro que o "problema" deve ser verdadeira diversão para quem já está acostumado com os games anteriores do super-herói e o aproveitamento deve aumentar muito para quem possui algum tipo de acessório ligado ao micro, como um game pad. As versões para PS2, Xbox e GameCube também devem ser mais acessíveis, já que são baseadas exclusivamento nos joysticks.

Mutatis mutandis

Se a ação frenética caracteriza o game do Aranha, o mesmo não pode ser comentado a respeito de X-Men Legends II: Rise of Apocalypse. Apesar de ter sua parcela de pancadaria, o mais interessante do game são as inúmeras opções de personalização dos heróis. É quase um Fifa Soccer mutante: Existem as partidas, mas parte da diversão é mesmo fazer as contratações, dividir pontos, elaborar táticas e colher os resultados.

No RPG - que sucede o título de 2004, campeão de vendas da franquia - é possível criar, customizar e controlar times de quatro mutantes dentre os dezesseis personagens disponíveis. Os X-Men e os vilões da Irmandade de Mutantes lutam do mesmo lado, aliando poderes contra obstáculos, cenários interativos que funcionam como quebra-cabeças e mais de cem tipos de inimigos, dos quais o pior, é claro, é o ancestral Apocalypse.

O poderoso vilão cinzento é a ameaça maior do game, auxiliada por tipos como o Sr. Sinistro, Omega Vermelho, Sauron, Lady Letal, Conflyto, o X-Men alterado Arcanjo, etc. Sua aparição força a aliança entre os X-Men de Charles Xavier e a Irmandade de Mutantes de Magneto.

Para os fãs dos personagens, é um prato cheio a possibilidade de colocar Wolverine, Fanático, Dentes de Sabre e Bishop, entre tantos outros mutantes distintos, na mesma equipe. Fazer com que trabalhem bem em conjunto é o mais divertido. É necessário o equilíbrio entre força bruta, poderes de longo alcance e capacidades específicas, como vôo ou teleporte. São centenas de poderes disponíveis a serem aprendidos e desenvolvidos, exatamente como num RPG convencional. Cada personagem exige cuidados no aprimoramento e pode receber ainda equipamentos para ampliar defesas ou outros atributos.

Por outro lado, se você não é um purista dos RPGs, não se preocupe. Se a sua idéia de entretenimento é simplesmente esmagar inimigos com raios óticos, punhos de aço orgânico ou garras de adamantium, o game poderá - através de inteligência artificial - posicionar automaticamente os pontos de experiência para você.

Mas a diversão não pára por aí. É possível trocar uniformes entre diversas versões dos gibis, pegar itens escondidos, como capas clássicas de quadrinhos, e - se a sua combinação de superequipe ficar perfeita - até obter bônus em defesas e ataques. O jogo online também não foi esquecido e até quatro pessoas podem participar da aventuras juntas ou enfrentar os desafios da Sala de Perigo, clássico local de treinamento mutante. Tudo isso com um visual que tem o estilo dos quadrinhos, sem perder o realismo dos ambientes 3D.

Um dos games de super-heróis mais legais que já apareceram, sem dúvida.