None


Pouco mais de um mês após o lançamento da segunda parte da série Game of Thrones da Telltale, agora é visível que a espera valeu cada minuto. "The Sword in the Darkness" é o melhor episódio do game até agora. Após ter determinado o ritmo narrativo do jogo com decisões interessantes em "The Lost Lords", a Telltale dá continuidade aos pontos positivos, criando uma experiência sólida e, pela primeira vez nas três partes, genuinamente agradável aos olhos. Diferentemente das partes anteriores, agora as decisões parecem ter ainda mais importância. O jogador finalmente sente que, quando se joga o jogo dos tronos, você vence ou você morre. Não existe meio termo.

O terceiro capítulo apresenta mecânicas no mínimo agradáveis de se ver em um jogo que poderia se tornar cansativo não fosse sua divisão por episódios. Neste momento da história, por exemplo, você acompanha os votos de um dos personagens que se juramenta à Patrulha da Noite apertando apenas um botão. Simples, mas significativa o bastante para criar a atmosfera daquele momento importante para a narrativa. Outra, um pequeno puzzle inteligente relacionado a um mapa, também relevante para os próximos acontecimentos na história.

Os parágrafos a seguir possuem spoilers de todos os episódios do game lançados até agora. Siga por sua conta e risco!

Apresentados durante a parte anterior da série de jogos, Rodrik e Asher, os “Lost Lords”, são os principais personagens deste episódio. Enquanto o primeiro encaminha para Yunkai em busca de aliados de companhias livres para auxiliar sua família, o outro se vê em frente a mais um dos incontáveis problemas que ameaçam derrubar a Casa Forrester. Desta vez, Gryff Whitehill, o herdeiro da Casa Whitehill, segue o comando de seu pai e Roose Bolton, e toma o comando de Ironrath. A partir daí, cabe a você (Rodrik) lidar com as desavenças e situações críticas ocasionadas pela mudança. Nessa atmosfera é que a Telltale criou uma das melhores cenas do terceiro episódio, durante o conflito entre Gryff e Rodrik.

Se a presença de Gared Tuttle foi uma das partes mais chatas do episódio 2, aqui essa visão muda. O mérito disso cai sobre o próprio rumo que o personagem tomou dentro da história. Antes, a preocupação era se ele não caminharia os mesmos passos de Jon Snow na série e nos livros. Apesar de ainda haver semelhanças (como a amizade entre você, Finn e Cotter, algo que lembra Grenn e Pyp no cânone de GoT), sua missão é outra – até mesmo mais intrigante.

Além de se questionar entre cumprir o pedido do tio para ajudar a Casa Forrester, é lhe dada a oportunidade de perdoar ou se vingar do homem que matou sua família. Felizmente, essa decisão de se desvencilhar de caminhos já percorridos pela narrativa da série e dos livros originais acaba dissipando a preocupação que era recorrente nos episódios anteriores. E isso não acontece apenas com Gared.

Mira Forrester, uma das criadas de Margaery Tyrell, também tem um caminho diferente de Sansa Stark em sua passagem por Porto Real. Ao contrário da filha de Ned Stark, a personagem que você controla, mais do que nunca, está jogando o jogo dos tronos (fazendo política). Ao contrário dos episódios 1 e 2, agora você consegue ver o fruto de suas decisões e sentir a famosa frase de Cersei Lannister com os controles em mãos. Uma das decisões mais intrigantes do final do episódio 3 é tomada com Mira.

Ainda em busca de aliados para que não volte para Westeros de mãos vazias, Asher Forrester continua sendo o personagem mais carismático e a parte mais divertida de se jogar. Não só por variar entre diálogos com personagens interessantes e combates, mas sim por você sempre sentir aquela esperança de ver Drogo voando pelo céu das terras além do Mar Estreito. E é isso que acontece. Para não estragar a graça, é melhor poupar os detalhes. Mas saiba que esse encontro pode significar a salvação ou a ruína da casa Forrester.

"The Sword in the Darkness" é o melhor episódio da série de jogos de Game of Thrones da Telltale até agora - e não à toa. Mais do que as fotografias lindas em algumas cenas ou o desvencilhamento de rumos óbvios dos personagens, a sensação de que você está, de fato, jogando o jogo dos tronos, se destaca e faz com que essa terceira parte seja única. Mas não se anime. Nunca é demais repetir: neste caso, não há meio-termo. Ou você vence, ou você morre.

Game of Thrones - "The Sword in the Darkness" está disponível para Xbox One, PlayStation 4, Xbox 360, PlayStation 3, PC, Mac e iOS.

Leia mais sobre Game of Thrones

Nota do crítico